01 janeiro, 2013





 
Por Sônia Guimarães às 23:47     1 comentários
29 dezembro, 2012


  O ano que nunca vai acabar...
 
Por Sônia Guimarães às 20:05     0 comentários
08 março, 2012


                             
                                Bienal de Veneza 2011 - por Flavio Lucchini (Itália) 


 
Por Sônia Guimarães às 23:03     0 comentários
12 fevereiro, 2012

Foi tudo muito, muito rápido. E, admito, estava distraída. Afinal, abdução logo às primeiras páginas não chega a ser corriqueiro. A velha história: quando menos se espera...







"Acordo. Onde estou? Reflito. Não só reflito, como também me questiono: - Onde estou? -  No entanto, esta pergunta não tem nenhum sentido, pois sei exatamente qual é a resposta.  Aqui é a minha vida."  

 
Por Sônia Guimarães às 23:11     0 comentários
17 janeiro, 2012



Senhor
Que eu não fique nunca
Como esse velho inglês
Aí do lado
Que dorme numa cadeira
À espera de visitas que não vêm

Oswald de Andrade



 
Por Sônia Guimarães às 00:08     0 comentários
06 janeiro, 2012


 
Por Sônia Guimarães às 22:17     1 comentários
14 novembro, 2011
   
Este cara passou mais de 1 ano me encarando de um ponto qualquer da estante lotada.  Contorcido, assim, parece  tanto ameaçador quanto maroto, não é mesmo? Um pouco de cada, concluí ao final de 432 páginas...



Todas as histórias contadas por Columm McCann em  "Deixe o grande mundo girar", começam ou terminam ou se  passam em 7 de agosto de 1974.  Foi o dia em que um francesinho porreta chamado Phillipe Peti "passeou" por meia hora sobre um cabo de aço preso ao topo das Torres Gêmeas. McCann usa a incrível travessia de Peti a 110 metros do solo pra lembrar como era o mundo, a América - e Nova York - nos anos 70.


"Ela queria lhe dizer tanta coisa, no aeroporto, no dia em que ele partiu. O mundo é dirigido por homens brutais, e a prova mais certa são seus exércitos. Se eles lhe pedirem para ficar parado, você deve dançar. Se lhe pedirem para queimar a bandeira, agite-a. Se lhe pedirem para assassinar, recrie. 

Teorema, antiteorema, corolário, anticorolário. 
Sublinhe duas vezes. Está tudo lá nos números. 
Escute sua mãe. Me escute, Joshua. 
Olhe em meus olhos. 
Eu tenho algo a dizer.

****
Como é estar morto, filho, e será que eu gostaria?"



 
Por Sônia Guimarães às 12:45     1 comentários
07 agosto, 2011
Sempre fui avessa a contos.  Gosto de ser tragada por uma boa história, e nela permanecer imersa por algum tempo. O conto me causa aquela frustração típica de uma viagem curta...

Em momento algum culpei o formato pela relação mal resolvida. Mas, após inúmeras tentativas ao longo de anos, me permito concluir que à maioria dos contos faltou a capacidade de me engolir - mesmo que apenas pelo tempo que dure a leitura de umas poucas páginas. 



Do nada, me cai nas mãos um livro do Raymond Carver. Americano, além de pinguço o Raymond Carver acendia um cigarro no outro. Morreu aos 50 - há mais de duas décadas. Apesar da short life, será lembrado como o reinventor da short story.

É ler para entender como, em tão pouco tempo, esse maluco se tornou um dos maiores contistas do século 20.


"Um homem sem mãos apareceu na minha porta para me vender uma fotografia da minha casa. A não ser pelos ganchos cromados, era um homem de aspecto comum, de mais ou menos cinquenta anos. "Como você perdeu as mãos?" , perguntei depois que ele disse o que queria dizer. "isso é uma outra história", respondeu.  (trecho de "Visor")

 
Por Sônia Guimarães às 23:42     0 comentários
21 maio, 2011

O fôlego notável de John Fogerty é contagiante. A banda, escolhida a dedo. O repertório, velho conhecido. Do lado de cá, as melhores lembranças de uma época in-crí-vel. Mas um tempo sem volta. So... Eis John Fogerty em Sampa, no único hit de sua carreira solo: o ótimo "The old man down the road"
 
Por Sônia Guimarães às 19:17     2 comentários
11 maio, 2011

Nunca havia assistido a uma performance de Antonio Meneses. Também foi minha primeira vez num concerto de violoncelo solo. O instrumento soa ainda mais belo individualmente, liberto do naipe. Já Antonio Meneses mantém o ego sob controle e dominio, como quem toca imaginando um conjunto completo ao redor. Questão de índole? Certamente - no caso desse pernambucano sensível, talentoso e disciplinado.
 
Por Sônia Guimarães às 01:46     0 comentários
23 abril, 2011


Adoro ver filmes - feitos pra garotada - que oferecem mais do que uma simples história pra entreter e divertir. Parece caretice mas acho que o mundo anda de cabeça pra baixo porque a tal "escala de valores" bagunçou geral.


RIO é um filme muito bem feito, explora com inteligência esse incrível cenário que é a cidade do Rio de Janeiro, e faz a gente sair do cinema indignado contra o contrabando (e maus tratos!) de animais silvestres.
 
Por Sônia Guimarães às 14:57     0 comentários
13 março, 2011



video

E não é que o cinema em 3D anda sacudindo a poeira da boa e velha ópera? Quase 140 anos depois de estrear em Paris, a eternamente bela "Carmen" (de George Bizet) ressurge, oxigenada - na telona.  Simplesmente "desbundei" com o realismo das imagens e a fidelidade do som. E, embora me considere uma ignorante no quesito, arrisco dizer que o elenco da Royal Opera House de Londres se sai muito bem na execução dessa ópera - que exige ao extremo de quem interpreta os personagens centrais (so intenses...).  

 
Por Sônia Guimarães às 13:11     2 comentários
24 janeiro, 2011



 E tentar esquecer que,lá fora,
 a natureza despejou sua fúria 
sobre nós por quase 2 horas.
 Viva a TV a cabo!
 
Por Sônia Guimarães às 00:39     0 comentários
03 janeiro, 2011




----- Original Message -----
From: GeraldoFlach

Sent: Tuesday, October 05, 2010 11:45 AM Subject: Re: FW:

Querida Sônia,
Foi bom ter te encontrado, ainda mais com a alegria de ver uma música minha participando de um projeto teu. Acho que ficou adequadíssima à idéia. Também gosto demais dessa música, que é uma espécie de réquiem que compus e gravei em Nova Iorque, quando da morte do Chet Baker. Tem tudo a ver com o vídeo.

Fico feliz em saber que estás produzindo, com a velha garra pampeana. Isso é ótimo.   Fico aqui torcendo por ti, na esperança que a gente se encontre , por aqui, ou por lá, para bater um papo de matar a saudade. A gente se vê.


Grande  beijo, Geraldo


 
Por Sônia Guimarães às 22:08     3 comentários
09 dezembro, 2010
pic by SonG


 
Por Sônia Guimarães às 02:05     0 comentários
09 outubro, 2010

 
Por Sônia Guimarães às 11:59     4 comentários
21 agosto, 2010


That's what really matters.
 
Por Sônia Guimarães às 20:30     2 comentários
11 julho, 2010



À noite o lugar é completamente ermo - e aí reside parte do charme. Os menos atentos correm o risco de passar pela porta da Serralheria e nem se dar conta.




Dentro, mais uma evidência da incrivel vocação dos paulistanos pra transformar até um "buraco" em espaço cultural.

Antigamente eram as companhias teatrais emergentes que costumavam se apropriar de locações atípicas. Nos últimos anos os coletivos é que assumiram o papel de reinventar e/ou revitalizar endereços com um potencial mínimo. A Serralheria, believe me, é até aconchegante.



E ainda por cima a seleção musical era do Ramiro - my favourite dj, forever.
 
Por Sônia Guimarães às 17:57     6 comentários
21 maio, 2010
Garçom, uma cerveja! Estupidamente, hein?
(Arraial d'Ajuda, 2010)

 
Por Sônia Guimarães às 23:50     5 comentários
09 abril, 2010




Bastam alguns minutos diante das obras que formam a mostra retrospectiva de Andy Warhol, pra perceber o quanto esse cara tem a ver com o que hoje se encaixa no conceito de "arte".

Na era da manipulação computadorizada de imagens (toda a sorte de), é quase com reverência que me coloco diante daqueles múltiplos da sopa Campbell's. Ou, estaciono na sala onde são projetadas as mais de oito horas que a câmera comandada por Warhol passou enquadrando o topo do Empire State, de Nova York. Isso em 1964. Sim, Andy Warhol já era um artista multimídia quando se ouviu falar pela primeira vez nessa expressão que hoje é usada à exaustão por amadores e profissionais, com ou sem talento.

Esta tudo lá na Estação Pinacoteca. Incluindo as mais famosas e emblemáticas representações da vida real - de Mao a Marylin. Quem pode, deve deixar pra visitar a retrospectiva de Andy Warhol durante a semana, quando sobram vagas no estacionamento, não há fila na bilheteria nem disputas diante das obras. E, embora estejam em exibição mais de 160 (re) criações, em cerca de uma hora se percorre - com alguma folga - todo o espaço expositivo. Tente reservar um pouco mais de tempo pra ver alguns dos 40 e poucos vídeos assinados por Warhol.

Aquele futuro previsto por Andy Warhol, no qual todos teriam ao menos 15 minutos de fama, virou presente com espantosa rapidez. Mas, como os reality shows já comprovaram, chegar lá nem é tão difícil. Complicado é se manter na berlinda. Andy Warhol morreu há mais de 20 anos e continuamos aqui, falando dele, discutindo as criações dele... É o que difere um artista, do resto.  (Texto originalmente publicado no website do programa "Metrópolis", TV Cultura))


Andy Warhol - Mr. America
Estação Pinacoteca
Largo General Osório, 66, Luz
Fone: 11 3335-4990
Das 10h às 18 horas (fecha segunda-feira)
R$ 6 (sábado grátis)
Até 23 de maio
 
Por Sônia Guimarães às 01:07     2 comentários
06 abril, 2010

em seu melhor ângulo: de cima.



 
Por Sônia Guimarães às 07:47     0 comentários