30 março, 2009
Era final de 2005 quando me fiz a promessa de "nunca mais ir a megashows". ESCREVI AQUI, inclusive.

Esta semana, pela primeira vez, quebrei a palavra empenhada - e fui ao show do RADIOHEAD. Eu e mais 29.999 pessoas. No meio da primeira música já havia dado por superado o desconforto e a mão-de-obra pra chegar até ali. Imersa na multidão, revivi sensações que só esse tipo de experiência produz... Uaaau!

Sobre o show do Radiohead, nada a retocar. Petardo após petardo. E com que despretensão eles fazem tudo aquilooo! O sucesso, definitivamente, não é o foco.


Apesar da recaída, mantenho a promessa e sigo investindo em celebrações pra rebanhos mais enxutos. Como o que Buddy Guy reuniu quinta-feira na estréia em Sampa. Quanto mais velho, mais carismático


 
Por Sônia Guimarães às 01:01    


4 Comments:


At 06 abril, 2009, Anonymous Flávia Chagas

Também sou mais um clima intimista - apesar de gostar muito do Radiohead. Sonia, te mandei um email com as últimas daqui. Beijo, Flavinha (C.Party)

 

At 09 abril, 2009, Blogger Vanessa Oliveira

oi, queridona!

to escrevendo besteiras em outro canto agora: www.adsensum.worpress.com
passa lá e me diz o que achou!!!

beijo grande.
saudade.

 

At 25 abril, 2009, Blogger Das Montanhas

E por falar em platéias restristas, na década de 90 vi um show irretocável dele no 150 Club do Maksoud (na época que este hotel era o mais descolado da city). Lembro-me que o fio da guitarra dele, em aspiral, era longo o suficiente para ele sair do palco tocando e ir até o banheiro que era destinado ao público - do lado de fora do clube. Cheguei inclusive a trocar algumas palavras com "o cara" depois do show, que simplesmente foi um dos inspiradores de ninguém menos que Jimi Hendrix. Depois disso, numa outra visita ao Brasil - vc sabe, já foram várias -, uma amiga minha teve um caso com o Sugar Blue (gaitista convidado naquela banda), que acabei conhecendo na casa de meu primo Raul numa noite de muito som, drugs and buzz...good ol' times!

 

At 28 abril, 2009, Blogger Sônia Guimarães

Boas histórias, Afonso. Aliás, o Buddy Guy continua descendo do palco pra circular na platéia. Claro, com a diferença de que o
"150" não é apenas intimista, é super intimista (ainda existe!. 1 beijo.