18 junho, 2006
Passei quase minha vida profissional inteira trabalhando em televisão (ou então com vídeo). O cheiro de tinta dos estúdios, o ruído da fita em rewind, o 'Silêncio, vamos gravar!"... Na frente ou por trás das câmeras as referências vão fincando raízes através da pele da gente. Só arrancando. Às vezes nem assim...


Tenho certeza de que o mesmo acontece em tudo quanto é profissão. O engenheiro fica mexido com o cheiro do concreto, o barulho das britadeiras, a gritaria dos pedreiros... O advogado vibra com a agitação em foruns e tribunais... O jogador de futebol ao contato com o gramado, o ruído das torcidas...

Achei que o tempo fosse capaz de suavizar as sensações, mas não. Cada vez é mais intenso. E conforme os anos passam a carga de nostalgia aumenta. A ponto de doer, até. São as vastas emoções em pensamentos imperfeitos...

 
Por Sônia Guimarães às 21:50    


3 Comments:


At 19 junho, 2006, Blogger Das Montanhas

É isso aí Sônia. Feliz de quem casou com a profissão certa e curte cada segundo que passa. Já imaginou se sua postagem tivesse em seu lugar uma mulher bóia-fria cortadora de cana ?

 

At 20 junho, 2006, Anonymous Cao Guimarães

Oi, prima,
Estou feliz por te encontrar. Foi fácil: uma só clicada no Google.
Quero conversar contigo. Assunto profi.
Escreve para caoguimaraes@ig.com.br
Beijo,
Cao

 

At 30 junho, 2006, Blogger Don Bourboun

Oi,Sônia, um beijo